Uma Concertação pela Amazônia lança plataforma inédita de dados sobre a Amazônia Legal - Envira News

Ultimas

Post Ads

quarta-feira, 3 de março de 2021

Uma Concertação pela Amazônia lança plataforma inédita de dados sobre a Amazônia Legal

Iniciativa traz dados e análises dos nove estados e de todos os municípios que compõem a Amazônia Legal: Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins



Amazônia - O portal Amazônia Legal em Dados é uma plataforma fomentada pela iniciativa Uma Concertação Pela Amazônia e entrou no ar dia 24 de fevereiro.

A Amazônia Legal em Dados, com acesso liberado a qualquer pessoa, proporciona de forma inédita uma visão integrada dos 9 Estados da Amazônia Legal, reunindo 113 indicadores em 11 temas como ciência e tecnologia, demografia, desenvolvimento social, educação, economia, infraestrutura, institucional meio ambiente, saneamento, saúde e segurança. A ferramenta traz análises de questões críticas e mostra desafios da região nos últimos 10 anos, além de permitir observações prospectivas, ou seja, como estes indicadores podem evoluir rumo a 2030. Os dados podem ser visualizados por municípios e também dentro de quatro grandes divisões da Amazônia: arco do desmatamento, cidades, região antropizada e região conservada.

"Cada vez mais valorizamos as evidências, pois ajudam a entender a realidade e a tomar as melhores decisões. Neste portal reunimos mais de 100 indicadores em um único lugar para facilitar a obtenção e análise de dados, principalmente para o gestor público", diz Francisco Gaetani, que faz parte da iniciativa Uma Concertação pela Amazônia.

"A Concertação nasceu, essencialmente, para a desfragmentação de iniciativas na Amazônia Legal. O lançamento da plataforma é o primeiro passo concreto da iniciativa nesse rumo e tem a intenção de se tornar, mais do que um hub de tecnologia, uma plataforma comum de conhecimento dos dados a ser utilizada por gestores públicos e demais interessados na agenda de desenvolvimento sustentável da região", diz Renata Piazzon, Secretária Executiva da Concertação pela Amazônia.

Também é possível visualizar os principais desafios da região e em cada estado, conforme o grau de evolução (em vantagem ou defasagem).

Pelo portal, é possível checar com agilidade, por exemplo, quais os coeficientes de Gini (que mede a desigualdade de renda domiciliar per capita) dos estados e da região. O território da Amazônia Legal aparece em crescente evolução no coeficiente de Gini, que em 2019 foi de 0,535, próximo da média nacional (0,538), mas ainda distante da região Sul, que foi 0,467. Quanto mais próximo de 1, maior é a desigualdade. O melhor indicador na região foi registrado no Mato Grosso, de 0,456, em 2019, refletindo sua posição como o estado com a melhor renda domiciliar per capita da Amazônia Legal, no valor de R﹩ 1.360,20, enquanto a média da região é de R$ 872,00.

Ao mesmo tempo, a plataforma Amazônia Legal em Dados mostra que a região teve crescimento nos últimos dez anos tanto do PIB total quanto do PIB per capita. Na década de 2008 a 2018, houve um crescimento real do PIB de 32% e a participação da região no PIB do país subiu 1,5 p.p. no período. Enquanto o PIB per capita da região teve um crescimento médio real de 1,2% ao ano, superior ao do Brasil (0,3%) e das demais regiões do país. Porém, é necessário ousar no crescimento do PIB per capita da região, o qual ainda é 38,7% inferior ao restante do país.

"Este portal vai além das plataformas que temos disponíveis atualmente, pois permite a análise dos desafios e os recortes temáticos, assim como as possibilidades de fazer perguntas e de ter perspectivas de novas análises. Sabemos que só com os dados que já existem a aferição ainda é fraca", diz Tatiana Schor, secretaria executiva de Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas.

AMAZÔNIA LEGAL EM NÚMEROS

• 808 municípios (14,5% das cidades do país)

• 5,1 km² de metros quadrados (60% do território brasileiro)

• 29,3 milhões de habitantes (14% do Brasil)

• 11,2 milhões de ocupados (12% do Brasil)

• PIB de R﹩ 623 bilhões (9% do PIB nacional)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Ads