Pular para o conteúdo principal

Carrefour precisa saber que promessas são compromissos

A rede francesa de supermercados, em outros casos de repercussão, já prometeu mudar sua postura, porém, não cumpriu o prometido. Vide ocorrência recente, grave, lamentável e triste em uma de suas lojas de Porto Alegre

Por: Isabel Rodrigues

As imagens do crime absurdo e covarde cometido por seguranças da rede francesa de supermercados Carrefour contra um cidadão negro, no interior de suas dependências, na área do estacionamento de uma de suas lojas instaladas na cidade de Porto Alegre (RS), ganharam o mundo. Desde então, o que li, ouvi e assisti de "colegas" que se confessam especialistas em gestão de crise foi sobre como a empresa deve administrar a situação para mitigar os danos à sua imagem e reputação. Nada contra, é parte da atividade. Contudo, dessa vez, quero colocar meus conhecimentos em gestão de crise para "atuar" do outro lado da moeda, o lado do cidadão, do consumidor de ideias, daqueles que podem e precisam agir e influenciar outros para fazer a empresa mudar a sua cultura interna e, por consequência, a sua postura quando for obrigada a lidar, sobretudo em público, com situações adversas.

No caso em questão, ficamos novamente indignados com a atitude de alguns funcionários e fornecedores de serviços do Carrefour. Novamente, pois, como todos sabem e foi amplamente divulgado, ocorrências do tipo são reincidentes no "quintal" da rede francesa de supermercados. Até quando vamos ficar indignados, apenas?! Quebrar vidraças, pichar paredes e gritar palavras de ordem, a meu ver, também não produzem os resultados que se buscam: a punição verdadeira e rigorosa dos culpados pelos crimes cometidos (gravíssimos todos eles, vale ressaltar!) e mudanças imediatas de atitude e postura da empresa. Impunes, todos os envolvidos, por certo, seguirão somente recolocando vidraças, repintando paredes e tapando os ouvidos, ou seja, tudo poderá voltar como era antes. Pelo histórico, se nada de eficaz for feito, pode ser só uma questão de tempo até que tudo se "normalize". Precisamos estancar essa cascata, imediatamente.

Entendo que o alvo da pressão deve ser o topo da pirâmide organizacional, pois mudanças, mesmo nas empresas, somente acontecem quando existe vontade política, ou seja, o desejo sincero e efetivo daqueles que possuem voz e poder de comando. Lamentar o ocorrido, publicar comunicado nos veículos de grande circulação, desculpar-se, demitir o gerente da loja, romper o contrato com o fornecedor de serviço e repudiar a ação dos criminosos, que devem e precisam ser presos, é seguir o normal, aquilo que dita o "manual de primeiras respostas em situações de crise", uma ação imediata para aliviar a tensão e o desejo de vingança dos incomodados e afetados pela ocorrência. Urge, porém, que se desperte em cada um de nós o lado consumidor de ideias, aquele que "compra" propostas, posturas e ideologias. Uma boa resposta, por exemplo, seria o boicote, por um período determinado, das compras nas lojas de rede. O prejuízo financeiro e de imagem certamente tocaria de forma contundente o senso de responsabilidade dos executivos do topo da pirâmide do grupo, assim como o bolso de seus acionistas.


Precisamos usar mais vezes o nosso poder de cidadãos e exercitar com mais frequência a força de nossa cidadania. Punir exemplarmente os responsáveis é o mínimo que se espera; porém, queremos mais: que nada do que o histórico do Carrefour revela se repita, que estas ocorrências se transformem em páginas viradas para o grupo e que lições exemplares sejam tiradas para que não tenhamos que voltar a apontar-lhe o dedo, gritar para sermos ouvidos e ocupar as ruas para exigir das autoridades punição grave para todos os responsáveis.

Essa questão, pela gravidade e urgência que impõe, vale frisar, não se resume ao pagamento de multas, condenação dos criminosos, pedidos públicos de desculpas e muito menos em doações generosas de recursos para este ou aquele grupo. Importante lembrar que isso é apenas a reedição do que foi feito quando um de seus seguranças perseguiu, agrediu e matou um cão com o peso de uma barra de ferro. O que se espera, se deseja e se exige agora é que a rede francesa mude de fato a sua cultura interna, treine seus funcionários, fiscalize suas ações, contrate fornecedores de serviços que compartilhem de suas ideias e ideais e, principalmente, que trate todos os seus consumidores como iguais, sem qualquer tipo de distinção ou preconceito, principalmente quando estiverem no interior de suas dependências. E mais: promessas não podem ser palavras jogadas ao vento, devem ser cumpridas!


________________________________

Isabel Rodrigues é mestre em Comunicação e Cultura e professora de Relações Públicas da FAAP-SP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos arrombam 'presídio' e estão à solta em Envira

Envira - Nos últimos meses os cidadãos envirenses tem observado alarmados o aumento da criminalidade em nossa tão amada cidade. Todos os dias observamos postagens nas redes sociais, status de WhatsApp e mensagens em grupos de cidadãos denunciando roubos e furtos. É preocupante pensar que Envira esteja passando por uma situação como essas: furtos, assaltos, roubos ou a cobrança de pedágios ao tentar entrar em determinados bairros e ruas. Não existe uma preferência, rouba-se veículos, smartphones, alimentos, roubas e até animais. Além de todos esses problemas ainda existe a enorme preocupação com o tráfico de drogas, a violência crescentes e a ociosidade dos jovens. As informações que temos é que após o pedido de remoção do Tenente Felipe Cerqueira (feito por ele mesmo), outros policiais que são muito queridos e bastante competentes em suas ações, também pediram remoção e estarão deixando a cidade de Envira futuramente. Nossa cidade perderá um destacamento de policiais em um momento cru

Há 2 dias jovem em situação grave aguarda regaste aéreo em Envira

Envira - Na última quinta-feira (04), o jovem Adenízio da Silva, mais conhecido como Diezon, se acidentou com uma arma de fogo. De acordo com informações repassadas pelos seus familiares, o jovem encontrava-se em uma embarcação de pesca, onde fazia a limpeza de uma arma de fogo, enquanto acidentalmente acabou apertando o gatilho da arma, que veio a disparar em seu rosto. O jovem encontra-se internado na Unidade Hospitalar do Município de Envira aguardando sua transferência para a Capital, familiares informam que ele encontra-se com a bala ainda alojada na garganta, com ferimentos graves no trato respiratório e com grande dificuldade de respirar. A família informou que desde o momento que o jovem deu entrada no hospital a equipe médica comunicou a gravidade da situação que o jovem se encontra, e que tem buscado contato com os gestores municipais solicitando ajuda, mas não tem conseguido uma resposta exata sobre quando ocorrerá a transferência do mesmo. 

Em Eirunepé-AM, PMAM captura foragido do Sistema Prisional de Envira

Indivíduo de 29 anos foi conduzido e entregue na Delegacia de Polícia de Eirunepé Eirunepé - Policiais militares da 1ª Companhia Independente de Policia Militar - CIPM, apreenderam por volta das 20h, desta terça feira (07), um meliante de 29 anos que encontrava-se foragido do Sistema Prisional de Envira, o mesmo estava escondido em uma residência no bairro de São Domingos. Os policiais detiveram o foragido após recebimento de várias denúncias informando que o mesmo se encontrava escondido na residência. Após investigação foi confirmado a denúncia, o mesmo foi preso pela guarnição da 1ª CIPM e em seguida encaminhado ao 7º DIP-AM.