Pular para o conteúdo principal

Fundação Amazonas Sustentável e Americanas celebram resultado sobre empoderamento feminino na Amazônia

Reunindo moradoras de comunidades ribeirinhas e indígenas, projeto provocou importantes reflexões sobre os direitos da mulher e questões de equidade de gênero

No Dia do Empreendedorismo Feminino, comemorado nesta quinta (19/11), a Americanas e Fundação Amazonas Sustentável (FAS) - parceiras, desde 2018, para a conservação e promoção do desenvolvimento sustentável da floresta amazônica - celebram os resultados do curso de Empoderamento Feminino, ministrado no fim de outubro, para mulheres moradoras da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro.

Com o objetivo de promover o estímulo ao empreendedorismo e criar uma rede de cooperação entre as habitantes locais, as aulas do curso fomentaram importantes discussões sobre como visões rígidas e tradicionais do papel do homem e da mulher na sociedade podem afetar diretamente as escolhas, a saúde e a sexualidade das mulheres. As aulas foram desenvolvidas em linha com as noções de igualdade de gênero, tema do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 5 da Agenda 2030, da ONU.

"Casei cedo para sair de perto do marido da minha mãe que me maltratava, mas fui maltratada pelo meu marido também e resolvi deixar ele e comecei a trabalhar na roça, como criei meus filhos. Não é uma vida fácil, mas pra mim não tem trabalho ruim e faço o que precisa ser feito pra viver. Comecei o artesanato pra distrair a cabeça e, as vezes, vendia umas peças, mas não dava tanto valor. Com o curso descobri que sempre fui empoderada, sempre lutei por mim e por meus filhos e sou uma mulher forte! Agora, me vejo além da roça, como artesã e empreendedora, fazendo minhas bolsas. Eu sei que posso ir longe", conta Rosinete Nonata da Silva, de 46 anos. Moradora da comunidade de Saracá, Rosinete foi uma das participantes do curso de Empoderamento, em outubro.

Empoderamento x pandemia

Segundo Valcléia Solidade, superintendente de Desenvolvimento Sustentável da FAS, o momento de pandemia trouxe o isolamento social, incertezas e inseguranças, sobretudo para as mulheres que têm que viver em uma nova realidade nas suas comunidades mais afastadas da Amazônia. "O desafio é maior ainda para aquelas que precisam sustentar suas famílias no cenário de perda de renda. O curso, promovido pela FAS e Americanas, tinha a função de solidarizar-se e fortalecer as mulheres para superar este momento difícil na vida comunitária", afirma.

"Quando falamos em empoderamento feminino em comunidades tradicionais, não estamos falando somente de dar espaço para mulheres, mas de encorajá-las desde meninas a serem o que quiserem, empoderando-as a ter autoestima e repassar esse suporte a outras mulheres", explica Natália Ribeiro, líder do curso. "Aqui trazemos temas relevantes e atuais, como a conceituação do que é empoderamento, os tipos de poder, a identidade da mulher ribeirinha e, ainda, a diferenciação dos tipos de violências sofridos pela mulher: física, sexual e psicológica", acrescenta.

Parceria perene

A primeira turma de mulheres foi formada por um grupo de artesãs do Jirau da Amazônia, marketplace social da Americanas que tem como objetivo estimular o desenvolvimento da região e a geração de renda das populações que vivem do artesanato - o que tem contribuído para atenuar os danos causados pela pandemia na região. A Americanas também atua na Amazônia com diversos outros projetos em parceria com a FAS, divididos em quatro frentes de atuação: melhoria na alfabetização; capacitação para o empreendedorismo; gestão de resíduos e educação ambiental; e conectividade e inclusão digital, com a implantação de laboratórios de informática utilizados, no momento, para a telessaúde.


Reforçando seu compromisso com o desenvolvimento sustentável e a prevenção à Covid-19 na região, o Universo Americanas também doou 300 mil máscaras, 11 toneladas de álcool em gel e mil oxímetros para mais de 19 mil famílias ribeirinhas e indígenas. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos arrombam 'presídio' e estão à solta em Envira

Envira - Nos últimos meses os cidadãos envirenses tem observado alarmados o aumento da criminalidade em nossa tão amada cidade. Todos os dias observamos postagens nas redes sociais, status de WhatsApp e mensagens em grupos de cidadãos denunciando roubos e furtos. É preocupante pensar que Envira esteja passando por uma situação como essas: furtos, assaltos, roubos ou a cobrança de pedágios ao tentar entrar em determinados bairros e ruas. Não existe uma preferência, rouba-se veículos, smartphones, alimentos, roubas e até animais. Além de todos esses problemas ainda existe a enorme preocupação com o tráfico de drogas, a violência crescentes e a ociosidade dos jovens. As informações que temos é que após o pedido de remoção do Tenente Felipe Cerqueira (feito por ele mesmo), outros policiais que são muito queridos e bastante competentes em suas ações, também pediram remoção e estarão deixando a cidade de Envira futuramente. Nossa cidade perderá um destacamento de policiais em um momento cru

Há 2 dias jovem em situação grave aguarda regaste aéreo em Envira

Envira - Na última quinta-feira (04), o jovem Adenízio da Silva, mais conhecido como Diezon, se acidentou com uma arma de fogo. De acordo com informações repassadas pelos seus familiares, o jovem encontrava-se em uma embarcação de pesca, onde fazia a limpeza de uma arma de fogo, enquanto acidentalmente acabou apertando o gatilho da arma, que veio a disparar em seu rosto. O jovem encontra-se internado na Unidade Hospitalar do Município de Envira aguardando sua transferência para a Capital, familiares informam que ele encontra-se com a bala ainda alojada na garganta, com ferimentos graves no trato respiratório e com grande dificuldade de respirar. A família informou que desde o momento que o jovem deu entrada no hospital a equipe médica comunicou a gravidade da situação que o jovem se encontra, e que tem buscado contato com os gestores municipais solicitando ajuda, mas não tem conseguido uma resposta exata sobre quando ocorrerá a transferência do mesmo. 

Em Eirunepé-AM, PMAM captura foragido do Sistema Prisional de Envira

Indivíduo de 29 anos foi conduzido e entregue na Delegacia de Polícia de Eirunepé Eirunepé - Policiais militares da 1ª Companhia Independente de Policia Militar - CIPM, apreenderam por volta das 20h, desta terça feira (07), um meliante de 29 anos que encontrava-se foragido do Sistema Prisional de Envira, o mesmo estava escondido em uma residência no bairro de São Domingos. Os policiais detiveram o foragido após recebimento de várias denúncias informando que o mesmo se encontrava escondido na residência. Após investigação foi confirmado a denúncia, o mesmo foi preso pela guarnição da 1ª CIPM e em seguida encaminhado ao 7º DIP-AM.