Pular para o conteúdo principal

O #feminicídio não é apenas um problema criminal


O aumento real da violência contra a mulher, o feminicídio, apresenta causas de origens diversas. Uma delas envolve a questão institucional e a necessidade de um aperfeiçoamento, uma melhoria dos instrumentos de persecução criminal contra os agressores. Além da necessidade de uma melhor estatística em relação aos dados que envolvem as etapas anteriores ao feminicídio em si.



"Em relação aos aspectos culturais e educativos é preciso que o sistema educacional envolva as crianças desde a idade mais tenra sobre a necessidade de respeitar a mulher. Ela não pode ser vista como objeto, muito menos ficar submetida à violência dos maridos ou companheiros. Os índices de pesquisas mostram que têm alta taxa de feminicídio dentro das casas, portanto na família e na educação formal a mulher precisa ser vista e tratada como ser humano. Isso envolve, portanto, uma mudança de cultura e uma ênfase maior no instrumento educativo educacional", explica Flavio de Leão Bastos Pereira, professor de direito constitucional da Universidade Presbiteriana Mackenzie.



O especialista ressalta que é necessário estabelecer medidas sancionatórias não apenas no aspecto criminal, mas também reforçá-las no aspecto civil. Os agressores dos feminicídios precisam responder com indenizações mais pesadas. Embora o direito penal não seja adequado para resolver problemas de base ele é muito importante para intimidar para que não recrudesça ainda mais esses números trágicos.

"No contexto de ordem social, vale dizer, a responsabilidade por preservar a vida das mulheres é dos homens, das famílias, do Estado e é também da sociedade como um todo. O Brasil está passando por uma epidemia de violência e isso também se reflete na reificação e na visão da mulher como objeto. A violência recai também sobre a ela que normalmente é a principal vítima antes de chegarmos no feminicídio. Isso é também uma responsabilidade da sociedade que precisa fazer cessar o mais rápido possível no círculo da violência, inclusive por parte de discursos de políticos e pessoas que ocupam cargos de liderança. Passando pelo respeito à mulher como profissional, quanto mais ela se torna independente e autônoma, mais ela sofre violência porque essa independência não é aceita pelos homens", finaliza o professor.

__________________________________________________________________________________________
Flávio de Leão Bastos Pereira é professor de Direito Constitucional, especialista em Direito Internacional da Universidade Presbiteriana Mackenzie e está disponível para comentar o assunto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos arrombam 'presídio' e estão à solta em Envira

Envira - Nos últimos meses os cidadãos envirenses tem observado alarmados o aumento da criminalidade em nossa tão amada cidade. Todos os dias observamos postagens nas redes sociais, status de WhatsApp e mensagens em grupos de cidadãos denunciando roubos e furtos. É preocupante pensar que Envira esteja passando por uma situação como essas: furtos, assaltos, roubos ou a cobrança de pedágios ao tentar entrar em determinados bairros e ruas. Não existe uma preferência, rouba-se veículos, smartphones, alimentos, roubas e até animais. Além de todos esses problemas ainda existe a enorme preocupação com o tráfico de drogas, a violência crescentes e a ociosidade dos jovens. As informações que temos é que após o pedido de remoção do Tenente Felipe Cerqueira (feito por ele mesmo), outros policiais que são muito queridos e bastante competentes em suas ações, também pediram remoção e estarão deixando a cidade de Envira futuramente. Nossa cidade perderá um destacamento de policiais em um momento cru

Há 2 dias jovem em situação grave aguarda regaste aéreo em Envira

Envira - Na última quinta-feira (04), o jovem Adenízio da Silva, mais conhecido como Diezon, se acidentou com uma arma de fogo. De acordo com informações repassadas pelos seus familiares, o jovem encontrava-se em uma embarcação de pesca, onde fazia a limpeza de uma arma de fogo, enquanto acidentalmente acabou apertando o gatilho da arma, que veio a disparar em seu rosto. O jovem encontra-se internado na Unidade Hospitalar do Município de Envira aguardando sua transferência para a Capital, familiares informam que ele encontra-se com a bala ainda alojada na garganta, com ferimentos graves no trato respiratório e com grande dificuldade de respirar. A família informou que desde o momento que o jovem deu entrada no hospital a equipe médica comunicou a gravidade da situação que o jovem se encontra, e que tem buscado contato com os gestores municipais solicitando ajuda, mas não tem conseguido uma resposta exata sobre quando ocorrerá a transferência do mesmo. 

Em Eirunepé-AM, PMAM captura foragido do Sistema Prisional de Envira

Indivíduo de 29 anos foi conduzido e entregue na Delegacia de Polícia de Eirunepé Eirunepé - Policiais militares da 1ª Companhia Independente de Policia Militar - CIPM, apreenderam por volta das 20h, desta terça feira (07), um meliante de 29 anos que encontrava-se foragido do Sistema Prisional de Envira, o mesmo estava escondido em uma residência no bairro de São Domingos. Os policiais detiveram o foragido após recebimento de várias denúncias informando que o mesmo se encontrava escondido na residência. Após investigação foi confirmado a denúncia, o mesmo foi preso pela guarnição da 1ª CIPM e em seguida encaminhado ao 7º DIP-AM.